quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

O Estado fora do restaurante, por favor

Falando em Hamburgo, dizem-me que a diáspora portuguesa por lá é famosa pelo seu café. O Manuel Padeiro do Rio e o Manuel Trolha da França seriam Manuel Caféeiro em Hamburgo. Os Starbucks de lá são cafés portugueses à antiga. Em Portugal falta pouco tempo para a invasão e vai-se ver quão bem protegida é esta área histórica Delta[sic]. A mim não me admira que faça as delícias da burga noobai-fnac.
Ontem soube que é difícil encontrar café por cá que não esteja adulterado com palha. Parece que há uma loja na Amadora....

Já que falamos em comida, acho que a bófia não tem nada que proibir as entradas sem pedido. Mas depois também não tem nada que me vir prender se eu as comer e não pagar. O que acharão os pseudo-liberais portugueses se eu cobrir o bluff da tal "proposta negocial"? Provavelmente vão a correr chamar o paizinho Estado "ó xô guarda, eu pus lá os queijinhos mas não era para ele comer sem pagar, ponha lá ordem nisto faxabôr ... ".

Um certo minarquista bolseiro da FCT acha que o encarecimento do pão é óptimo para combater a obesidade. Tenho ideia que nos dias que correm a comida é tão mais barata quanto mais engorda logo o encarecimento dos cereais até pode piorar o problema da obesidade.
Mas, considerações sobre este tema à parte, será que este gajo se olha ao espelho de manhã e pensa "porra sou um filha da mãe mesmo cruel", antes de deitar mãos ao trabalho e louvar as desigualdades salariais em nome do incentivo à produtividade, etc. (nada incentiva mais a produtividade do que a perspectiva da subnutrição).

A propósito, Miguel, Amílcar, que tal um gráfico da evolução do preço do trigo em euros ?

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

O nosso português para não especialistas

Não diga "estou a procurar," diga "ando perguntando".
Não diga "não consigo", diga "não dou feito".
Não diga "educadamente", diga "com preceito".
Não diga "livra-te disso, pá", diga "joga isso fora, dé".*1

e por favor não diga "aparentemente", diga "béque-me que ..."

Porquê? Porque eu mando*2. E se tiver dúvidas pergunte aqui.


*1 A ortografia é a padrão, mas o leitor deve notar que não aprovo as "semi-oficiais" formas de pronunciar nortenhas (Sim, Lisboa inclui-se no Norte. Porquê? Voltamos ao mesmo ...)

*2 O João Pinto acaba de admitir que nos manda escrever daquela forma por uma questão de gosto pessoal, de estética.

Extrema-Esquerda emerge em Hamburgo

Não sou eu que o digo, é o Público.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Estória do CL e do pneu esvaziado

O bote estacionado em frente à paragem,
obrigava-o a esperar no meio da estrada.
Qual seria a queixa? Sabotagem?
Destruição de propriedade privada?

Que faria o dono se chegasse entretanto,
e o apanhasse em flagrante?
Chamaria "a autoridade"?
Nada se estragou, na verdade.



Houve quem visse, mas ninguém disse nada.

O tempo já é propriedade privada?

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

O Lixo e o Asteróide

Recentemente falou-se em assuntos interessantes no desafio espacial: intercepções cinéticas, as missões D. Quijote e Deep Impact, e lixo orbital. Então não é que esta semana a Euronews se lembra de exibir reportagens sobre estes mesmos assuntos?

Um asteróide passou perto da Terra

O espectador atento reconhecerá, a um cantinho a 2/3 do vídeo, um jovem conquistador mouro a dar o seu melhor pela segurança da humanidade. Jovem que veio mais tarde a tornar-se anfitrião deste simpático blogue.*
Passe o alarmismo, o perigo de impacto de um asteróide no próximo século não me parece minimamente relevante. De qualquer forma, a nossa amada NASA anda de olho no céu e penso que até 2020 já terá registadas as órbitas de quase todos os objectos maiores que 140 m que cruzem a da Terra (NEO's).

Sobre lixo espacial, este sim um assunto bem mais preocupante: a reportagem da Euronews aqui.

*A propósito: aquelas instalações parecem "a modernidade" por dentro, mas na realidade são um improviso num pré-fabricado de contraplacado, em que o ar condicionado não funciona. Não há condições de trabalho ...

domingo, 24 de fevereiro de 2008

O Sindicalista, o Bêbedo e o Professor

"E, ele, o professor dos nossos filhos, irá por aí fora, para onde o SMS lhe indicar. Ou não se trata de um professor ou mente. O que nos vale é que estes «professores» são uma minoria."

A realidade é uma chatice ... [clique na imagem]

"É por isso que existem os especialistas, e a Democracia deve viver com os especialistas, dos especialistas, e para os especialistas. E mesmo que a realidade desminta os especialistas, o erro não é deles (pois são seres que analisam racionalmente a realidade), mas daqueles que, infelizmente, agem sobre ela, e assim estragam todos os modelos matematicamente estudados . E ainda quer esta gente pôr-se a protestar e a fazer "manifestações" convocadas por SMS... Um dia destes ainda os veremos a querer pensar o que só deve ser pensado pelos especialistas, e esse dia será o princípio da barbárie anti-democrática."

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Sismógrafo desmancha prazeres

Um blogue que lia sempre acabou.
Raramente tive o prazer de discordar com o Desmancha Prazeres.



Um dos meus blogues favoritos está a acabar.
Do Sismógrafo nunca consegui discordar.
parecia uma versão mais lúcida e articulada de mim próprio.

Obrigado, amigos.

Intercepção Cinética

O que é que tem de especial?

Bem, para começar conduzir um projéctil para um impacto a 36000 km/h num alvo com pouco mais de meio metro de raio é um desafio técnico, em termos de algoritmos de navegação, condução e controlo, tudo menos trivial. Para se ter uma noção, este desafio é semelhante ao de interceptar uma bala com outra bala. É bastante diferente do clássico problema de se aproximar do objectivo a uma pequena velocidade relativa e fazê-lo explodir, resolvido e implementado há mais de meio século.
Numa intercepção cinética não se conduz o míssil, aponta-se! E não se aponta para onde está, obviamente, mira-se onde se prevê que irá estar. Para tal, é preciso ter um conhecimento extremamente preciso da trajectória do alvo. Note-se que 1 segundo antes do impacto a distância ainda é de 10 Kms. A última manobra de apontamento será provavelmente calculada e executada a cerca de 100 Kms.

Acresce ao interesse o facto de haver pouquíssima informação desclassificada sobre o assunto - do pouco que há disponivel publicamente, este livro do israelita (ó surpresa!) Paul Zarchan é o único verdadeiramente útil (mesmo assim, só lhe dedica um pequeno capítulo).

(A propósito, as técnicas de condução, navegação e controlo são exactamente as mesmas para a intercepção de ICBM's. Mas não se pense por isso que isto os torna obsoletos. É que determinar com precisão a órbita de um projéctil hóstil em poucos segundos é bem diferente de fazê-lo com um dos nossos.)

Depois há a questão de, em órbita, a maior parte dos destroços continuarem ... em órbita. E note-se que o Espaço não é tão grande como se possa pensar - na prática só algumas órbitas são eficientemente atingíveis e úteis. O teste chinês do ano passado criou quase tanto lixo espacial como todo o que já existia até à data (principalmente se tivermos em conta o efeito cascata de destruição de um satélite russo pelos destroços projectados, dias depois - não admitido oficialmente). Se continuam estes testes, vamos ter um problema sério para a utilização civil do espaço.

Finalmente, há as implicações político-estratégico-militares de uma nova corrida ao armamento espacial, mas isso já não é a minha área.

Ps.: Novos links adicionados: o Herdeiro de Aécio oferece-nos uma perspectiva histórica e política. Como adenda ao excelente post deixo alguns esclarecimentos técnicos:

1- Os Estados Unidos já tinham demonstrado e publicitado a sua capacidade de realizar intercepções cinéticas no espaço publicamente e aos olhos de todos, com a missão Deep Impact, apesar da precisão obtida neste caso ser da ordem dos 100 metros.

2- A desculpa da hydrazine tóxica é das mais cómicas que já ouvi. Este é o propulsor de manobras padrão para qualquer veículo espacial moderno e é inaudita a preocupação com a sua toxicidade, menor que a dos gases expelidos pelo navio e foguetão usados na intercepção. De facto, a hidrazina, (e não hidrazino, como lhe chama a merda do Público) tem propriedades semelhantes às do amóníaco e é neutralizada rapidamente e abioticamente em contacto com o ar ou água (e ainda mais rapidamente se for rico em Ozono). Esta desculpa deve ser portanto uma piada interna ou um simples insulto à inteligência do público.

3- Sobre o filme Armageddon e os milhões que fez desperdiçar* à Europa (surpresa!) há muito para contar, mas fica para outra ocasião.

*atenção: artigo desactualizado - a missão já foi cancelada.

PPs.: Relativamente ao comentário de um anónimo visitante "hóstil" preocupado com a toxicidade do combustível dos RCS, este engenheiro de sistemas de manobra para veículos espaciais humildemente repara: caem na Terra 6 satélites cheinhos de hidrazina por mês e o caro anónimo só se preocupa com este?

Como é que há quem ainda se esforce por dialogar com estes imbecis?

Filipe Melo e Sousa, ao defender este tipo de estacionamento, informa-nos que em Lisboa perde 30 minutos de automóvel num percurso que duraria 4 horas de transporte público!

Também vale a pena ver JCD a meter os pés pelas mãos aqui.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Mentalidade urbanizada

Ao saber que gosto de fogueiras e estrelas, o professor conclui* que sou adepto de campismo.

*erradamente

Letterman, a notícia que agradaria ...

A Castro não sucederá o seu irmão Raúl, mas sim o seu filho atrasado mental, Fidel W. Castro

Oh Lord won't you buy me ...

No dia em que uma escaramuça de mercado foi resolvida, com o enterro final de um padrão, e os milhares de milhões de euros que o livre-mercado capitalista desperdiçou nele, veio-me à cabeça uma nova tendência na decoração, que se substituiu nos lares burgueses ao naperon de renda por cima da TV: os personagens largos e gordos:

Para as caixas mágicas lusas, raros são os programas transmitidos em formato 16:9. Os que são, os filmes, são-no com as legendas na barra inferior, ou seja, para serem vistos em formato 4:3.

Nunca vi nas salas portuguesas nenhum dos prestigiosos plasmas a transmitir imagens que não fossem infladas e tristemente distorcidas. Penso que será possível ajustá-las, mas é sabido que não é pela nitidez e qualidade da imagem que a burguesia acorre em massa aos Media Markt.

gramar a musa gorda é melhor que admitir que 25% do prestígio é inflado

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

O que é que mais adoras na tua terra?

No Barlavento de hoje? Da minha geração? A minha resposta é rápida: as comunidades de chineleiros alemãs da Mexilhoeira Grande a Odeceixe. Os bifes maluques e drogades, com que cresci. Estou convencido que foram o motor de evolução cultural da uma geração portimonense inteira, maior que quaisquer eventos esparsos promovidos pela câmaras, cultura "de dentro para dentro" - a única verdadeira fonte de cosmopolitanismo a que tive acesso na minha adolescência.

O único espaço no Algarve a albergar consistentemente exposições de artistas livres, e concertos quase todos os dias para "qualquer um que tivesse uma banda e quisesse tocar" era o bar Santa Suzana do Tim, punk alemão, perto de Aljezur, no meio do monte. Quando fechou passou a não haver nada ... até que abriu o Satori, perto de Querença, do francês Pascal.

Noites e noites passadas na Pereira, Arão, sob as estrelas, e acordar junto de praias selvagens são as melhores memórias que tenho.

Há quatro anos, toda essa zona ardeu. Os terrenos desvalorizaram brutalmente. Cada vez mais amigos se vão embora, para a Austrália, para América do Sul, onde as praias ainda são selvagens e a gente ainda se pode sentar à fogueira, a água dos poços ainda se pode beber sem pesticidas dos campos de golf e onde não se toca fogo à terra para construir autódromos. Perdemos todos.

Hei-de melhorar este artigo com mais informação e imagens, por agora fica este rascunho, escrito com muita frustração.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Música de Intervenção - Sons do Reino Animal

We believe in freedom.
Whatever turns you on.
Life is short and full of woe.
So you have yourself a blast.
Live your life in peace.
And fuck them if they laugh.


Brutal Truth, "Anti-Homophobe" , esta noite ao vivo em Corroios

Tremei perante o poder de Amon-Rá!

"O Sr. Vereador julga-se o rei da selva, mas, ao acompanhar a sua carreira política, por vezes me lembrei foi da história de Ícaro"
José Miguel Júdice, aka Shamash, aka Aten, aka...

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Estreia


Falando em cinema, nunca mais estreia o "It's a Free World" em Portugal?

Rambo

Espantoso como um filme tão simples, com um guião que é basicamente um pequeno mote para o porno-gore que se segue (canalizador bate à porta de loira que estava no duche e ...), consegue atafulhar tanto proselitismo cristão nos seus 2 minutos de diálogo, usados para falar sobre deus. Escusado será dizer que os "bons" - além dos mercenários - são uns missionários cristãos, dispostos a morrer pela nobre tarefa de evangelizar os selvagens, e que as vítimas rezam mesmo muito (e são, claro, perseguidas por serem cristãs) . As imagens reais que se vêem ao início mostram monges budistas a ser massacrados, mas nada mais é referido acerca deles, e acabam por não entrar no filme. Na Birmânia, como se sabe, os budistas também são cristãos. Os maus, a propósito, são os Infiéis, ou "Godless Bastards" ...

A cena final com as guerrilhas Karen a salvar o dia é tirada a papel químico do Rambo III, em que o Deus Ex Machina eram os guerrilheiros Taliban. Como nesse filme, a utilização de crianças-soldado pela guerrilha é glorificada como exemplo de bravura.

sábado, 9 de fevereiro de 2008

"Faça queixa ao Ministerio Público"

Eis a frase mais complexa que já vi sair do focinho de um porco de intervenção após uma das suas cargas de porrada súbitas e sem aviso. O orgão do Ministério Público é a IGAI, a Inspecção Geral da Administração Interna. A sua função é regular a acção das polícias por forma a assegurar que estas agem disciplinadamente e que os direitos dos cidadãos são assegurados. Portanto, quando se fala sobre o mandato/legitimidade democráticos das forças ditas de segurança para deterem o monopólio de violência, está-se a falar da IGAI e da sua autoridade em regulá-las.

De cada vez que o Juíz Desembargador Clemente Lima, Inspector Geral da Administração Interna lança um relatório oficial ou faz declarações as conclusões são as mesmas: A polícia em Portugal é mal formada, indisciplinada, age de forma selvagem sem conhecimento ou respeito pelos direitos dos cidadãos, bate sem perguntar nem avisar, saca as armas sem pensar duas vezes, causa muitas vezes violência gratuita. Quanto aos oficiais, "muitas vezes comportam-se como xerifes sem lei dos filmes americanos do faroeste" (cito de cor).*

E qual é a reacção das instituições democráticas de cada vez que o organismo oficial que regula a polícia profere tão graves avisos? A de Rui Pereira, Ministro da Administração Interna é menosprezar, desdizer, ignorar e desautorizar a IGAI. As associações de oficiais, e partidos democráticos da direita exigem o despedimento do magistrado (e timidamente, a dissolução do próprio orgão).

Dito isto:
Inspecção Geral da Administração Interna:
email: geral@igai.pt
telefone: 21 358 3430
fax: 21 358 3431
*Ps.: A frase exacta de Clemente Lima é:
Há muita cowboyada de filmes americanos na mentalidade de alguns polícias.

Grémio Lisbonense

Festa numa instituição de utilidade pública, com século e meio de História. Encerrada hoje. Abre daqui a um ano ou dois a 400 euros por noite: Pestana Palace Rossio, *****. Hotel de Charme. Cortesia do monopólio de violência do nosso amigo Estado. De Direito.
Mário Cruz, jornalista da Lusa, agredido à bastonada enquanto mostrava carteira profissional.
Joaquim Marujo, octagenário almadense frequentava a instituição diariamente.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Adivinha

Como alguns leitores já terão reparado, tenho passado demasiado tempo em Lisboa. Em jeito de prelúdio do próximo artigo, deixo a adivinha:

Que nome se dá por cá ao espaço de utilidade pública da fotografia?

Resposta

Madeleine e Zbgniew

Vale a pena espreitar as perspectivas do Miguel e do Igor (e um bocadinho da minha) acerca da percepção da "esquerda" sobre quem vai dar a cara pelos próximos quatro anos de política imperialista. Tratando-se de exercícios interessantes, convém não esquecer quem é que define verdadeiramente as políticas. E porque é que, tendo isto em conta, certos anti-capitalistas prefeririam um minarquista isolacionista como Ron Paul à mudança de cadeiras do costume. O desmantelamento do complexo militar-industrial americano (a expressão, a propósito, é do republicano Dwight Eisenhower*) seria imensamente mais benéfico do que quaisquer migalhas reformistas do sistema de saúde.

sábado, 2 de fevereiro de 2008

Politicamente Correcto

A brigada do politicamente correcto visitou hoje a associação cultural Bacalhoeiro. Obrigou a associação a recolher de imediato dezenas de cartazes politicamente incorrectos espalhados por Lisboa que anunciavam uma festa de Carnaval.

A brigada anda armada e veste-se de azul. Não se via uma acção tão lesta de reposição da ordem desde que o cartaz do Gato Fedorento foi retirado do Marquês de Pombal. Os direitos negativos de não-sei-quem foram assegurados mais uma vez.
Resta aguardar as inevitáveis visitas frequentes da ASAE ao 125 da Rua dos Bacalhoeiros.

Ps.: A razão apontada para a ordem de recolha dos cartazes é hilariante: violação da privacidade. Sim, o senhor da foto, apesar de estar em acção pública, tem direito constitucional a não ver a sua imagem divulgada. Privacidade no país onde guardam a informação sobre a nossa utilização da internet e telefone durante um ano, no país onde Estado regista nomes e moradas de manifestantes e lhes tira fotos para mais tarde recordar. Sim, rapidez e eficácia no país em que os homens de azul demoram horas a acorrer a uma queixa de violência doméstica (quando aparecem).

Ps2.: O Spectrum, blogue que já conhece o personagem de outras andanças, tem sentimentos mistos em relação ao ocorrido
. "Mix [sic] feelings", como se diz em americano.

Ps3.: FAQ da legitimidade, n'O Bitoque.

Ps4.: Já atrai moscas ...