quinta-feira, 9 de julho de 2009

Don't fuck with the Estiva II - Adenda - estes gajos são os maiores











Clique aqui para ver o video

Face it, you'll never be as cool as these guys


...150 estivadores a frente do parlamento, disparando very lights, petardos, a bombar Xutos (a tal música censurada), gritando:

"Sócrates , escuta, és um filho da puta, vai pá puta que te pariu"


de cara tapada e tronco nu, ou só de colete reflector dizendo nas costas


"DON'T FUCK WITH THE STIVADORS!"

quinta-feira, 2 de abril de 2009

"Belo dia, meu amor -
mais um destes sem sabor"
desligo o despertador
e queixo-me das dores das costas

Mas eis que venço o turpor,
recupero a minha Fé.
Contemplo o meu Salvador:
um copo de leite e café.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Municipal Waste is Gonna Fuck you Up

[...] Contra a privatização, os trabalhadores da higiene urbana da Câmara Municipal de Lisboa vão cumprir cinco dias de greve, entre os dias 8 e 11 [sic] de Dezembro. [...]



Massa Crítica

Como muitos já terão reparado agora escrevo noutro lado.
Mas nem é isso que me está a tirar mais energia e tempo de navegação (essencial para ir mantendo o Nadir actualizado com coisas interessantes). Estamos numa altura crítica para a re-implementação da bicicleta na cultura portuguesa e ando a ver se dou o meu contributo.

Amanhã há Massa Crítica, que é como quem diz que um grupo de pessoas, a correr, de bicicleta ou trotinete, vão andar juntas pelas ruas das cidades que o Estado e o Capital reservaram aos automobilistas. À nossa velocidade. Ao nosso ritmo. A ver se por uns momentos deixamos de ser invisíveis.


Em Lisboa, começa às 18:00 no Marquês de Pombal. Ao ritmo do mais lento. Em Portimão deixou de haver. (mas felizmente o problema em ptm não é estrutural-viário mas da puta da fatuidade motorizada, do status-pópó, muito fomentada pelo manéle da luz e o seu autódromo, motonáutica e fumaceira em geral - uma cena muito provinciana diria o meu amigo Filipe)

Espero passar por cima dos popós dos  deputados municipais do BE e do PCP que dizem que nunca vêem ninguém a andar de bicicleta  e queriam obrigar-nos a usar capacete, mais do maradona e dos betinhos andorinhas do jugular "ai que bem que ele escreve que giro que irreverente diz caralhadas chama atrasados mentais aos ciclistas e tudo"

não deixo aqui o link para o blogue onde escrevo agora porque assim posso continuar a usar este para me chibar de coisas menos legítimas. aos que o conhecem: eu sei que aquilo sairam uns tótós e entraram uns malucos, e é uma carga de trabalhos explicar aos comentadores que para mim a liberdade e a igualdade são igualmente importantes, e ser atacado sempre como um estalinista por gajos que nem sabem o que quer dizer socialismo. mas é um blogue colectivo onde ainda escrevem grandes cabeças e vai sendo lido. como escrevo sob nome verdadeiro sempre é uma forma de me disciplinar para escrever coisas relevantes e com pés e cabeça em vez postar só músicas parvas e anúncios a eventos. 

Vamo-nos vendo. Ponham isto no google reader ou assim.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Sementes Sonoras!

Este Sábado uma excelente oportunidade para quem quiser conhecer o Centro Social da Mouraria, a dinamização do Grupo Desportivo por parte do GAIA.

Há comida (hoje também houve) e festão, a partir das 18:00. E uma das vistas mais bonitas sobre Lisboa.


Só há uma coisa que me faz confusão: então é suposto ser uma festa Ska? É que a última vez que vi os Katharsis, banda anarco-vegan, foi na saudosa Okupa da Praça de Espanha, e não era bem ska:



Ora, se bem me lembro da categorização musical, isto de cima era grindcore. E ska, bem, ska soa mais ou menos assim:




Once I tried to run,
I tried to run and hide.
But Jesus came and found me,
and He touched me deep inside.
He is like a mountie,
He always gets his man.
And He’ll zap you any way he can.

Zap!

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Adeus e ide-vos foder!


O capitalismo é um sistema politico-económico esgotado. É necessário destruí-lo e construir um novo, que represente verdadeiramente o interesse dos Povos. Através da colaboração distribuída, à laia do que é feito com o Linux, o sistema operativo livre.




O sistema capitalista financeiro é uma podridão, corrupto por natureza, controlado por uma aristocracia medíocre, inepta, que se perpetua no poder pagando as somas exorbitantes dos cursos de Harvard e Yale aos seus filhos atrasados mentais.

Não há meritocracia: esta aristocracia gananciosa controla o congresso, tendo pago durante os últimos oito anos largas somas a ambos os partidos para votarem contra legislação regulativa que teria limitado as práticas predatórias das instituições agora falidas.

Ao seguir a doutrina capitalista cegamente, os EUA tornaram-se alvo de gozo do resto do Mundo. Mas seria impossível saber isso assistindo aos media americanos, já que também eles são controlados pelas corporações.


Não, não são citações de Chomsky nem as li no resistir.info. São de Andrew Lahde, um gestor de um fundo de investimento hedge fund ,que rendeu 880%, quando reformou em glória o mês passado. Esta é a sua carta de despedida ao mundo da banca de investimento, carinhosamente entitulada: "Adeus e ide-vos foder!"

e continua:

Finalmente, uma última nota sobre o cânhamo e a canabis. A utilização desta planta como fonte alimentar e de fibras para vestuário e construção seria provavelmente a forma mais sustentável de lidar com estes ramos. A razão pela qual é proibida é que a sua versão fémea, a marijuana, que faz rir e não dá ressaca e pode ser facilmente cultivada em casa, não pode ser usada pelas gananciosas corporações americanas para nos viciar, ao contrário do Xanax, Paxil, Zoloft, drogas altamente aditivas.

Conservador e Pai de Família

Em Junho deste ano, acerca das polémicas sobre sexo anal e grupos de risco com os blogues da direita, escrevi isto:

3) Estarão os pseudo-liberais da moral e bons costumes em pânico ao aperceberem-se que , enquanto ultramontanos homofóbicos, pertencem não só a um, mas a dois grupos de risco de contracção da SIDA!!! É que, ao que parece, se há quem goste de práticas homossexuais perigosas, e então de drogas como branca e meta nem se fala, são os tipos conservadores religiosos como Ted Haggard, Mark Foley, Larry Craig , Bob Allen, Glenn Murphy Jr. .



Hoje, revelou-se o amante de um famoso pai de família que se espetou de carro duas vezes mais rápido e quatro vezes mais bêbado que o permitido por lei.

Para quando fotos da Patrícia Lança de cabedal e strap-on? Dizem que o AAA já tem um chicote.


Ps.: Para mais, vem reforçar a minha sensação, de que falava com o PCR este fim de semana, que os homossexuais, pelo menos cá na Europa, tendem na sua maioria para o conservadorismo.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Velocípede

Vai, veloz veículo.
Voa, vinga, vence o vento.
Mostra ao mundo que o tempo
vibra em quem vive a viagem.

domingo, 19 de outubro de 2008

Nazis shouldn't drive



Um conselho sábio que teria salvo Haider e Donaldson.


They shouldn't be driving day or night
They can't think left, they can only think right
The sun reflects off their bald head
Like Ian Stuart they're going to wind up dead
Nazis... shouldn't drive (their cars)

They should've paid attention in driver's ed
Instead of hating foreigners, queers and reds
Keep your eyes on the highway you loser thug
Now you're squished on the highway like a bug

Ian, Ian, King of the Pit, no friend to you or me
Aaaaaaaaaaah! Watch out for that tree!

Sabedoria popular

"A descer todos os santos ajudam. A subir é só um, que é o André. Mas é coxo e está quase sempre ocupado."

Fronteira

"A minha liberdade acaba onde começa a liberdade do outro."

Normalmente dizem-me isto quando querem dizer:

"A minha liberdade acaba onde começa a propriedade do outro."

Quando devia ser:

"A minha liberdade começa onde começa a liberdade do outro."



Ps.: devia ter escrito algumas palavras com maiúsculas por aqui?

Aparente incoerência


Faz-me confusão que a maioria dos opositores à IVG sejam simultaneamente religiosos e pró-vida. Então não era o Deus deles que até há umas poucas décadas matava por cá 1 em cada 5 crianças, e que continua a fazê-lo onde as pessoas não têm força para lutar contra os Seus divinos intentos.

O Canalizador



Estava a pensar naquele personagem usado na campanha presidencial americana. É mesmo suposto o cidadão comum empatizar com este "pobre canalizador" com lucros para cima de 20 000 dólares por mês?
Este mártir dos devaneios da esquerda fez-me lembrar um outro, de que se falou há uns tempos, também ele paupérrimo

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Spectrum

Vai fazer anos o primeiro blogue a aparecer na pesquisa

tendo chegado a haver penetração

E há festão



Divulgue-se!

Yella

Amanhã vou ver um filme ao Nimas. Chama-se Yella. Li isto no NYT sobre ele


Yella relocates from her hometown, Wittenberge in the former East Germany, to Hanover in the former West Germany.
[...] Yella tries to forget the past and adjust to a faster, colder world in which her guide and eventual lover, Philipp, tutors her in corporate mind games. As the process erodes her humanity...


E assim vão aumentando os casos de ostalgia.

Levar uma carga de porrada do ceguinho

... ou onde é que foram desencantar a joana amaral dias?

Assisti a semana passada na sic notícias a um seu debate com o peso pluma intelectual josé eduardo martins, que meteu dó. Apesar do seu adversário nitidamente não perceber grande coisa do tema, e estar em posição fragilizada (a de um pseudo-liberalóide do centrão num momento de mega-crise causada pelas medidas que ele e os seus defendem e aplicam), ela conseguiu confundir-se em toda a linha, dar a sensação de não se ter preparado minimamente, e acabar o debate a fazer um ar indignado em vez de argumentar "não acredito no que estou a ouvir, isto é incrível! ai ai, que me dão calores". A sério via-se mesmo a sua cara a ficar vermelha. O incrível é como o adversário se põe tão a jeito por diversas vezes, que qualquer um que tivesse prestado a mínima atenção às notícias o destruiria facilmente, e a gaja em vez disso fica-me a olhar para ele com uma expressão ultrajada de confusão. Houve um momento em que estava tão engasgada de indignação que ficou ao trémulo moderador corrigir eduardo martins quando este, na ausência de uma adversária, já sublinhava confortável que não houve nacionalizações nenhumas no reino unido, que capitalismo=democracia e coisas do género.

Mudança de Estratégia II

... ou Marques Mendes dá toques com o pé esquerdo.

Já foi há umas duas semanas, quando o Marques Mendes falava sobre um livro ou algo do género que lançou. O tipo meteu a cassete liberal-minarquissta, e começou logo por dizer que o Estado devia ser como ele.

- O Estado tem que ser reduzido. Tem que ser um Estado pequeno. (v)
- O Estado tem que ser pequeno mas forte. Tem que ser pequeno para ser forte (v)
- E tem que ser forte onde é preciso: na Segurança e Policiamento (v)
- E na Defesa! (v)
- E na regulação económica! (WTF!!!!!111!)

Mudança de estratégia

Quando se falava na blogosfera da possibilidade da chegada de partidos socialistas ao poder em Portugal, a ofensiva imediata era ao disparate que seria ver a economia gerida pelos "analfabetos económicos" socialistas. Era a risota, o gozo, imaginar os disparates extremistas que os socialistas fariam no poder. Nacionalizações, por exemplo.

Nos últimos tempos já é difícil rir disso, então agora o problema é o papa.

(assinado por baixo por aquele tipo do 5 dias que adora execuções extra-judiciais)

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Lacuna

Neste início de ano lectivo não tenho ouvido ultimamente ninguém a comentar aquela medida anunciada por este governo com pompa, circunstância e orgulho de substituir o sistema de bolsas de estudo dos sas por empréstimos a juro bonificado junto a bancos.

Culpas - Oiticica 1923

pela blogosfera, em resposta à óbvia crise causada no/pelo capitalismo financeiro lêem-se respostas que dizem que afinal a culpa foi do estado, do semi-estado ou sei lá.

tenho para aqui um livrinho do princípio do século XX que prognostica aquilo que se está a concluir.

A culpa do mundo estar na merda é do Capitalismo e do Estado.

domingo, 5 de outubro de 2008

sábado, 4 de outubro de 2008

Bailout

Foi preciso procurar no Jueves para encontrar uma análise sintética com que concordasse inteiramente.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Manhattan

Parece que significa "Many Hills", muitos montes, que não impedem dezenas de milhar de pessoas se desloquem rapidamente de bicicleta por entre elas, uma boa parte delas em rodas fixas, sem mudanças.


Não vi por lá grandes apoios do Estado à utilização de bicicletas. Não há estacionamento público, e há poucas ciclovias. Mas também não há cá abébias aos botes. Qualquer rua tem passeios com 10 vezes a largura dos portugueses. Ninguém por lá pode dizer honestamente que se desloca mais rápido de carro do que de bicicleta ou metro. Ou talvez mesmo a pé! A ilha é vertical, quadriculada com semáforos a cada 50 metros, e constantemente engarrafada de carros.

Nos ciclistas, há garra, coragem, desenrascanço. E há uma luta de gerações e de classes nas ruas de Nova Iorque.

Revelam-se os Estalinistas

Estalinistas, revelaram-se muitos comentadores do conflito do Cáucaso deste Verão. Afinal, foi este georgiano que decidiu dividir a Ossétia e "dar" a parte Sul à Georgia.

Finance Capitalism FAIL



more FAILS

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Super Évora

Com 1 medalha de Ouro e outra de Prata, Portugal atinge a sua melhor classificação de sempre nos Jogos Olímpicos. Ironcamente nunca me lembro de haver tantas críticas precoces, injustas,
quando não pura e simplesmente imbecis e xungas aos atletas.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Ossétia

The Georgians bided their time, then went on the offensive, Caucasian style, by pretending to make peace and all the time planning a sneak attack on South Ossetia. They just signed a treaty granting autonomy to South Ossetia this week, and then they attacked, Corleone style.

O melhor que este blog tem, pelo menos enquanto durarem as minhas férias, são os links. aproveitai.

Tomorrow Police



We need a plan to put these pigs back in their place.

Assaltei o Banco

Assaltei o banco
O banco assaltei
Fiquei milionário
Sem roubar ninguém

Sai porta fora com o saco cheio
Saltei para o carro e arranquei
Soou o alarme mas já era tarde
Parti mais tarde que cheguei
Fiz tudo bem feito dei o golpe perfeito
Jámais me vão agarrar
Mais de um milhão está na minha mão
Sem ter de andar a roubar

Trinta e Um , "Não Há Regresso", 2002


O que é um pé-de-cabra comparado a uma acção da bolsa? O que é o assalto a um banco comparado à fundação de um banco?

Mack Navalha, na Ópera dos Três Vinténs, de Bertolo Brecht

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Vergonha Branco

Os neo-nazis do PNR encheram 2 carrinhas com malta lá de cima e de Espanha para fazer uma patuscada nas fontes de Estombar. Tiveram que recorrer a manhas e ameaças para arranjarem o lugar e o PA, mas isso já é normal, adiante ...

Depois de um ano passado dentro de um escritório, eu sinto na péle aqui em Portimão como é difícil sentir "orgulho branco" quando tiro a camisa na praia. Nesta altura do ano o que está a dar é a vergonha lula.

A brancura da pele portuguesa faz um contraste bonito com o branco dos lençóis

Talvez os fachos tugas devessem ir rebuscar aquela entrevista ao Marlon Brando e mudar o slogan colorido para "orgulho sazonal - orgulho amarelo claro no Inverno, orgulho farrusco no Verão".

Danos Colaterais


Bófia assassina mais uma criança em Loures.

Já há duas semanas a nossa "tropa de elite" tinha dado um tiro no seu próprio colega, quase o matando. E a semana passada outros bófias tinham assassinado um cidadão brasileiro e ferido gravemente outro, para grande júbilo da esquerda moderada.

Muito estranho ver nesta gente tanto apreço por execuções extra-judiciais. E mete nojo ler elogios à bófia que, achando que os sequestradores eram suficientemente perigosos para ser abatidos, matam um deixando o outro à vontade para fazer o que quiser com os reféns. Bárbaros e incompetentes.

Não poderia ter corrido melhor? Eu consigo pensar em milhares de maneiras como poderia ter corrido melhor, uma das que me ocorre era tê-los deixado ir embora com os 0.0000000001% do lucro do BES. Mas a vida de quem se atreve a meter-se com o Capital e o Estado vale muito pouco.

domingo, 10 de agosto de 2008

Ossétia do Sul


Passam-se coisas interessantes. Um dos melhores lugares para as acompanhar é o Exile.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Tropa de Elite

Link

Não é muito estranho que agentes à paisana que atacam suspeitos recebam o troco, pois não?

Mas se os títulos nas notícias forem "ladrões roubam à polícia" já parece um fenómeno do Entroncamento!

A nossa Tropa de Elite, para vingar o "ataque" aos seus colegas entrou a todo o gás partindo completamente as casas das famílias dos suspeitos para não encontrar nenhuma arma. Pelo caminho o Grupo de Operações Especiais (que agora mudou de nome) ainda deu um tiro no seu próprio colega que quase o matou.

A somar a isto tudo, contrariamente ao que foi lançado nos e pelos media a informação de que os tais ladrões roubaram shotguns aos paisanos não parece ser verdade, já que nada foi comunicado nesse sentido à autoridade competente, a Polícia Judiciária.

Fez-me lembrar um assalto a uma joalharia há cerca de um ano em que a polícia baleou transeuntes, prendeu inocentes e os ladrões ficaram-se a rir. Nessa altura lembro-me de comentadores entusiasmados falarem da glória dos bravos da PSP, de "caçadas à antiga", antes de se saber que os detidos eram apenas testemunhas e que os suspeitos tinham fugido com o saque.

Também me lembro de escrever "Rui Pereira elogia" no google e ter cerca de 300 hits. Desta vez já vai quase em 2500.

Agora pergunto-me eu: Porque é que merece elogio um bando de incompetentes, que se deixa desarmar e atacar pelos próprios suspeitos que vigia, que se lança num desvairio de destruição de propriedade e intimação, dispara sobre um colega quase o matando, e com este estardalhaço todo não encontra nas casas dos suspeitos nenhuma arma nem nada que os incrimine?

Nem sei quem é mais bárbaro, se os polícias incompetentes, se os incompetentes que os dirigem, se os jornalistas que transmitem ipsis verbis os comunicados de imprensa, se o pobão quem ainda acredita neles.

Por isso, como dizia ao comentador wyrm, no outro dia, quem não cospe para o chão à menção da polícia não é forçosamente um porco faxista, mas parece que há muito quem ande a engolir o cuspo uma vez e outra e outra, olhando para o lado e repetindo "a polícia é nossa amiga".






Atente-se agora neste vídeo, gravado a semana passada. O ciclista atacado ficou detido dois dias, até este vídeo sair. Alguém adivinha a sua acusação? Agressão a um agente da autoridade e resistir à detenção. Soa familiar?

Ps: Notícias fresquinhas:

Julgamento dos agentes da PSP envolvida no tráfico de armas
Agentes da PSP envolvidos em esquemas de intimidação e segurança nocturna
Estudante alemão espancado e obrigado a despir-se na esquadra da PSP

Ainda sobram alguns elogios?

Ps2.: Não sei se os leitores costumam seguir os links. Neste post, valem mesmo a pena.

Problemão

Sábado e Domingo, em Linda-a-Velha.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Visão do Alentejo

Ainda alguém se lembra daquele pastor da Visão, sem uma única preocupação na vida?*

[clique na imagem]

Com o surgimento de dois sóis no horizonte, já terá com que se preocupar. E já que andamos neste tipo de jornalismo, também convém ter cuidado com as duas luas.

*faça o favor de ler o meu comentário neste link

Fim de Semana


Depois de uma semana intensa de trabalho, uma Massa Crítica e uma pequena patuscada com um renegado isométrico e outro camarada das plataformas, seguir até Sines às 23:30 e chegar a tempo de não pagar, curtir a noite toda e partir para Portimão de manhã, fazer uma instalação bonitinha do Fluxbuntu num pII a 350 (ficou a correr rápido e bonito).

Combatendo o Capital com todos os meios disponíveis.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Raining Blood ...

... from a lacerated sky.



Cada ponto vermelho representa um invasor morto no Iraque.

Boas Notícias

O Exile.ru, o melhor serviço de notícias e opinião da Rússia, que tinha sido censurado, proibido e banido pelos esbirros de Putin está de novo on-line (num servidor fora da Rússia, claro).


E o Gary Brecher continua a lá escrever as melhores análises estratégico-militares.

Marvel 2099

De vez em quando falo aqui, um pouco a brincar, de obras Pop mais ou menos propositadamente subversivas. Uma das maiores foi uma grande aposta da Marvel nos anos 90, o Universo 2099. Aqui em Portugal chegou a tornar-se tão ou mais popular que as colecções normais e o seu lançamento coincidiu com o princípio da edição de livros pela Abril em português de Portugal.

O universo Marvel 2099 é uma distopia corporativa. Os governos são fantoches e todos os serviços são providenciados por 4 ou 5 corporações corruptas. Estes serviços são contratados por cada cidadão que, desde a protecção à saúde, está dependente dos cartões de crédito. Por exemplo, quem tenha um cartão dourado pode beneficiar dos serviços de segurança da Olho Vivo (o serviço de segurança privado da Alchemax) nas zonas mais perigosas das cidades. Ter um cartão negro, o mais valioso, permite comprar orgãos e imunidade à coação dosserviços de segurança.
A manutenção dos espaços, a ordem pública, a própria lei, não existem porque não são coisas que possam ser contratadas individualmente.
Um futuro em que todos tentam maximizar a sua felicidade de forma egoísta, mas nunca agindo em comunidade (as poucas tentativas de o fazer são marginalizadas e esmagadas pelas corporações). Um mundo com uma população totalmente despolitizada.

Os heróis são todos rebeldes, anti-heróis. O Motoqueiro Fantasma 2099 era um hacker que foi morto pelo pai, um homem do sistema, middle-management, viciado em trabalho que viu que a sua morte poderia dar lucro à empresa e agiu em conformidade como um profissional


O Hulk 2099 era um ganancioso executivo, produtor de reality shows, que decidiu ordenar o massacre de uma comunidade reminiscente dos Branch Davidians por estes se recusarem a colaborar consigo. O sentimento de culpa fê-lo revoltar-se contra as corporações e procurar destruir o sistema.


O Miguel O'Hara, o Homem-Aranha 2099, tentou demitir-se do seu emprego e a empresa activou uma cláusula que o viciou num narcótico que só ela produzia. Depois há uma série de heróis eco-terroristas que lutam para manter as corporações fora da única área florestal do planeta.

Arranjei a colecção em pdf, vou dar mais uma vista de olhos a ver se vale a pena escrever mais alguma coisa sobre isto.

Corporativismo à portuguesa

A Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), a Associação Empresarial de Portugal (AEP) e a Associação Industrial Portuguesa (AIP) uniram-se propondo a intensificação dos estímulos à utilização dos biocombustíveis e a avaliação da oportunidade de produção de energia nuclear.

Resta saber se o pedem enquanto consumidores de energia, ou enquanto potenciais construtores, produtores, distribuidores destas energias. [...] os senhores que pedem a liberalização da economia exijam a implementação de dois tipos de energia - nuclear e biocombustíveis - altamente subsidiadas, e que apenas assim são viáveis e rentáveis! Para mais ainda pedem a intervenção estatal na regulação de preços da electricidade.

Já agora, não é que interesse muito... mas em França ocorreu o quarto acidente nuclear em quinze dias.



Do Ilusão da Visão

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Casamento e impostos

Relativamente ao comentário do Miguel Madeira no meu último artigo, sobre o qual já tinha escrito no Vento Sueste, poder-se-á dizer que, ao equivaler, por casamento e para efeitos de cobrança de impostos, um casal que aufira 1000€+1000€ a um que aufira 0€+2000€ , o Estado pretende promover núcleos familiares em que um só elemento trabalhe (ou seja, à moda antiga do "trabalhador e da dona-de-casa") ?

Duas questões sobre economia

1- O Imposto Progressivo (acho que é assim que se chama) tal como é aplicado não terá o efeito de estimular a utilização de mão de obra barata e consequente desenvolvimento de uma economia baseada nela? Não seria boa ideia (a nível local, como medida reformista) os impostos sobre o rendimento começarem mais altos (em percentagem), terem um mínimo naquilo que se consideraria acima do limiar da pobreza, e começarem a subir a partir daí? Isto já foi experimentado em algum lado?

2- Porque é que o Estado há-de dar desconto nos impostos a um gajo casado, ou unido de facto, mesmo que não tenha filhos? Moralização?


*Nota: A primeira questão é uma dúvida sincera, ou seja, o seu objectivo era fazer-me e aos economistas que por aqui passam (uma quantidade notável, não sei porquê) reflectir sobre a ideia de criar um ponto de inflexão na curva das taxas ao nível de salário que consideramos bom para a economia. A segunda é uma pergunta retórica. Sou contra os benefícios fiscais dados a quem decide juntar-se oficialmente.

O Liberal

Paulo Portas critica falta de autoridade do Estado.

[Portas] disse não compreender como é que o Governo espera que a PSP garanta a segurança dos 200 mil habitantes do concelho de Loures, “com turnos policiais que apenas têm 80 efectivos´´.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Campeão

Este fim de semana um puto da Mouraria subia e descia as ruas inclinadas repetidamente numa bicicleta sem mudanças. Tinha entalado uma garrafa de plástico vazia na roda de trás para fazer mais barulho. Deve ter-se esquecido de ler os artigos da Helena Matos e de ouvir o Marcelo. Também andava por lá (mais cá abaixo, no Rossio) o Paulo Santos com a sua bandeirinha. Entretanto os automóveis que tentavam passar viam-se à rasca para fazer curvas cabendo naquelas ruas estreitinhas.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Terror Encapuzado II, ou Agressões que preocupam menos que as outras

"Eu estava sozinho em casa, eles entraram e começaram-me a bater. Eu gritei que era menor, mas eles mandaram-me ao chão e, enquanto me batiam, perguntavam-me onde estavam as armas", disse à agência Lusa Alexandre, 16 anos.

Invasões de propriedade privada, agressões, armas ..., tudo bem, desde que as armas usadas na coação sejam legais.

Armas Ilegais

Aposto, apesar de não ter dados que o confirmem, que as armas legais matam tanta ou mais gente em Portugal do que as armas legais.

A preocupação não devia ser com o número total de armas? É que não está de todo comprovado que todos os deputados, veradores, funcionários administrativos do estado que têm direito a terem armas legais tenham um comportamento mais estável que o resto da população.

E tanto quanto eu sei, para requerer o direito de uso e porte de arma legal é necessário provar que se tem uma vida perigosa em que a arma servirá como protecção. Ou seja, é concedido o direito a andar com uma arma exactamente às pessoas mais propensas (pela sua condição profissional, por exemplo) a usá-la.

Não podendo consubstanciar com dados, aqui vão exemplos:

Uma amiga minha foi morta por uma arma legal, de caça.
Em Portimão, junto ao JJ25 um segurança matou um cigano com uma arma legal há uns anos.
Os rapazes mais violentos, limitados, fanfarrões, rufiões (ou bullies) não conseguiram acabar o 9º ano e foram para a tropa. Passados meses partilhavam do "monopólio de violência" e tinham um cartãozinho que lhes permitia andarem a exibir Marakovs e Glocks às miúdas do bairro. Legalmente.

Por fim, ao que me parece, foi exactamente o facto de ambos os lados do conflito terem armas ilegais (e não um só) que impediu derramamento de sangue.

Sem ter muito que ver com o assunto, mas alguém sabe um sinónimo de "construe" em português (o significado é "dar uma interpretação")? É que foi essa a expressão usada por Kissinger e Ford no dia em que se encontraram com Suharto para tornar legal a utilização de armas americanas no extermínio e opressão de milhões de timorenses e outros opositores do regime. No dia seguinte começou o massacre. Com armas legais.

Uma opinião "de esquerda" sobre a Quinta da Fonte?

... de alguém que mora junto ao Prior Velho. Porque tenho lido por aí queixas de que não há opinião de esquerda sobre o caso:


Que jeito é que teve os robocops irem lá meter-se? Aparecem uma vez por ano com o espalhafato todo para se armarem em heróis e manterem "a ordem"? Afinal de contas as pessoas andavam com medo porque andava gente armada nas ruas. Com a chegada da bófia anda mais gente armada. Pelo que sei em número e armamento as forças estavam equilibradas e não tinham havido feridos nem mortos. E que se saiba as pilhagens e conflitos continuaram os ciganos estão a ir-se embora na mesma.

Então o que foi lá fazer a bófia? Exibir-se? Se é para serem gastos nisto, tenho que arranjar maneira de fugir aos impostos.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Tecnologia iraniana

Um fenómeno fascinante nesta espécie de mini guerra fria, que espelha o que já acontecia na outra, é que, quanto se trata de empolar a perigosidade dos párias, todos estão do mesmo lado. Aconteceu , por exemplo, relativamente aos MIG-21 russos e hoje ocorre com os Shahab 3 iranianos. O Irão, num derradeiro esforço para evitar ataques avisa "temos mísseis terríveis". Israel concorda e os Estados Unidos também, mesmo que não haja provas, mesmo que esses mísseis não tenham o mínimo de precisão. Existe um forte complexo militar-industrial que tem a ganhar com o empolamento da força iraniana.

Talvez por isso os principais jornais americanos tenham usado nas suas capas na passada quinta feira uma imagem forjada de um ensaio balístico iraniano, em que é nítida a fotomontagem que faz parecê-los mais em número (e convenientemente esconde que um deles falha em ser lançado).



O mais bizarro é que não está confirmado que nenhum dos mísseis da imagem seja o terrível Shahab 3.

Clique na imagem seguinte para ver como os iranianos planeiam usar a mesma tecnologia para fazer Israel desaparecer do mapa.

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Algumas curtas



- Um post tão simples mas tão perfeito como o brado "O Rei vai Nu!". É por estas e outras que adoro o Vento Sueste.

- No blogue "de esquerda" 5 Dias, o Filipe parece continuar a ser o único gajo de esquerda. E relativamente à questão dos fogos devolutos, a solução óbvia do alargamento do conceito do uso capião aos prédios urbanos continua a não estar em cima da mesa (note-se que foi exactamente por estar abandonado que o edifício da Av. da Liberdade se tornou um perigo para os adjacentes). Um bocadinho mais ou um bocadinho menos de impostos parecem ser os extremos máximos da discussão.


- Cada vez mais me apercebo que não há qualquer orientação global para a crise energética. A mistura de planeamento estatal com aqueles mecanismos capitalistas de futuros etc. que supostamente tornaria o sistema algo robusto a estas crises mostra-se ineficaz. Etanol produz-se a partir de cana do açúcar! E mesmo assim não é suficiente. Milho, beterraba? Estão a atirar areia para os nossos olhos ou para os seus próprios? Energias renováveis, carros eléctricos, carros a hidrogénio? Para dar resposta às necessidades previstas? Vão gozar com outro! E se não for a energia, as outras matérias primas duram para sempre? Porque é que não estamos todos a trabalhar 1 hora por dia, a consumir pouco e produzir pouco? Porque é que não exigimos isto. Será que a malta gosta assim tanto de trabalhar?



- A passadeira na Av. Infante Dom Henrique onde quase sou atropelado todos os dias. Os automóveis passam por ela a 100 km/h (o limite é 50). Alguns vêem-me à distância, abrandam e páram. Mas há um tipo de veículos que jamais abranda ali. Os jipes e carrinhas da brigada fiscal da GNR um quilómetro abaixo na mesma avenida. Será que eu posso aprender a manejar uma fusca e deixar de pagar a parte dos impostos que vai para esta gente que quase me mata todas as manhãs? Dispensar estes "serviços". A propósito, há 50 atropelamentos por ano neste ponto negro.


Bónus:

Por incrível que pareça, há alguns leitores deste blogue que sabem exactamente onde foi tirada esta fotografia.

terça-feira, 8 de julho de 2008

Caminho Luminoso

Na próxima Quinta-Feira, numa festa organizada por uma empresa de Belmiro de Azevedo, dezenas de milhares de jovens portugueses louvarão as "FARC peruanas", a guerrilha maoista Sendero Luminoso, o PC do Peru.

Landlords and power whores
On my people they took turns
Dispute the suits I ignite
And then watch 'em burn

Burn, burn, yes ya gonna burn

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Subsídio para a interpretação dos resultados dos exames nacionais IV

Em tempo de exames anuais de 12º Ano, lembre-se aos pais da razão porque compensa pôr os filhos num colégio privado, apesar dos preços. É que, para estudarem para a primeira chamada dos exames de 2008, os alunos das escolas públicas podem treinar com exercícios dos de 2007, 2006, 2005 ...

Os do Valsassina, por exemplo, têm a vantagem de poder treinar também com as perguntas do de 2008. É que médias globais de 18 valores (3 desvios padrões acima da média nacional, uma singularidade estatística) não se conseguem à toa.



É caso para dizer, Talões para que vos quero.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

O Pequeno Burguês

Só descobri hoje: o Martinho da Vila vai fazer uma série de concertos de Verão em Portugal. Hoje em Leiria, em Agosto em Portimão. E o Jorge Ben Jor vai ao Porto. Felicidade!

O Pequeno Burguês



Ps.: Já que estou numa de divulgação musical, hoje os brutais ZZ Top tocam no Porto num festival ligado a uma conhecida marca de cerveja e há Bailarico Sofisticado no Bacalhoeiro em Lisboa.

Menos Estado - pela abolição do código da estrada

Desde há tempos que me apercebo de que a existência de um código da estrada serve para gastar dinheiro e proteger a tirania automóvel.



Mas o código da estrada que obriga os automóveis a andar a menos que 50 nas cidades! Regula o trânsito, torna-o mais seguro!

Errado. É o código da estrada que dá licença e impunidade a um condutor para matar peões que se encontrem na estrada desde que se desloque a menos de 50. Se não houvesse código da estrada quem bradisse um instrumento com a energia cinética de uma rajada de metrelhadora junto a um transeunte seria censurado.

A existência do código da estrada confere uma aceitabilidade social e conformação a comportamentos que sem lei seriam considerados inadmissíveis.

É este sistema responsável por milhares de mortes só em Portugal. Quantas delas resultaram em condenação por assassinato?

Extremismo?

The radical philosophy has already been implented in the town of Drachten in the Netherlands, which has abolished its road signs and traffic lights. Accidents there have declined dramatically since the new regime was introduced.