terça-feira, 17 de junho de 2008

E eles a darem-lhe e o burro a fugir!

Os media continuam empenhados na sua campanha para que os automobilistas ataquem , a soco e pontapé, assaltantes armados.

[clique na imagem- Jornal Metro de hoje]

Ainda por cima tão armados e tão perigoso que a bófia teve que chamar os góis , o corpo de intervenção e o corpo de segurança pessoal, e ter, em regime de excepção, autorização para disparar e abalroar o assaltante para fora da estrada. (Afinal, que importância tem a segurança das pessoas que vão no passeio e na estrada quando comparada com a glória de uma bela perseguição seguida de troca de tiros na via pública, captura dos larápios e recuperação do Mercedes do sôr engenheiro.)

A ver se eu entendo: os mesmos automobilistas que, coitados, não têm cabedal para fazer frente às temíveis subidas e descidas de Lisboa e do Porto, nem sequer a pé*, haveriam de se transformar em autênticos Bruce Lees e desviar-se das balas enquanto dominavam com os punhos os gatunos.

3 comentários:

Filipe Abrantes disse...

O problema (grave) é que o porte de arma não é livre. Em caso de ataque, o assaltante tem 90% de chances de "ganhar" o confronto.

Com uma pistola no interior da porta do veículo, o assunto resolvia-se.

Curiosamente, ninguém fala dessa opção. Preferem apelar à repressão policial e cada vez mais abusadora.

(ainda sobre abusos, embora não tenha muito a ver: ainda há dias, um polícia multou-me por ir num sentido proibido, OK, mas inventou que vinha sem cinto, o que desmenti com força, tudo para poder sacar mais 120e o cabrão, no final admitiu que "não tinha visto bem". Um nojo)

Tárique disse...

Boa questão, a do porte de arma. Mas conhecendo casos de rixas de trânsito em que o um automobilista perdeu a cabeça e baleou o outro, fico a pensar se será uma boa ideia. Eu, que sou a favor da preparação para autodefesa, acho que neste caso se está a empolar um falso problema. o carjacking é um fenómeno residual que ocupa demasiado espaço mediático.

Filipe Abrantes disse...

Para algumas pessoas (poucas, até admito), será um sério problema. Como penso que não será crime ter um bom carro, acho mal que se diga que são problemas de rico. Todos têm direito de protegerem o que é seu. Acho que concordará.

Sendo que a polícia não pode estar (e felizmente) em todo o lado, é um crime criminalizar-se o porte de arma para efeitos de auto-defesa.